O preço de uma dívida - Linda Howard - (Maratona de Banca)




Sinopse:

Michelle está perturbada. Rafferty, de maneira ostensiva, mede-a dos pés à cabeça, e em seguida detém o olhar nas curvas dos seios bem-feitos. Ela sente que enrubesce; jamais um homem a olhara de tal forma, como se a desnudasse. O medo e a revolta crescem dentro de Michelle. A proposta que acabara de ouvir dos lábios daquele homem é indecorosa, abjeta. “Chega!”, ela grita. “Você não pode me tratar assim! Jamais me tornarei sua amante para pagar as dívidas deixadas por meu pai!”


Minha Opinião:

Sexto livro da Maratona de Banca 2013, e livro do mês de Setembro (atrasada de novo D:) com o tema: Livro da autora Linda Howard.

Esse é o terceiro livro da série Kell Sabin ou Rescues escrita por Linda Howard, composta no total por quatro livros, mas todos têm histórias independentes então dá para ler os livros separadamente, fora de ordem ou sem ter lido os outros (como foi o meu caso) numa boa, pelo que eu entendi lendo as sinopses a única coisa em comum entre os livros é que um dos protagonistas - ou os dois - é resgatado de algum perigo ou ajudado em uma situação delicada - no caso de O preço de uma dívida, a Michelle é resgatada da falência e de um ex-marido perigoso pelo Rafferty) - daí o nome da série Rescues = Resgate/ajuda/auxílio.

Michelle está passando por uma fase muito difícil desde que seu pai morreu e tudo piora para ela ao descobrir entre documentos antigos, que seu pai estava devendo muito dinheiro para o seu vizinho, o fazendeiro John Rafferty, alguém por quem ela se sente intimidada e de quem vem fugindo há dez anos porque sempre sentiu algo por ele e achava que ele era um conquistador barato e nunca se interessaria por ela, que tinha 18 anos na época. Por isso, depois de tantos anos, é um choque ter que descobrir que tinha uma dívida tão alta com ele, além de tantos outros credores e que teria que, depois de tanto tempo o evitando, conversar com ele e tentar negociar mais tempo para pagar a dívida, só que Michelle não poderia imaginar que John também era interessado por ela todo esse tempo e que ao contrário do que ela poderia pensar, depois de passada toda a mágoa e por isso num primeiro momento ele ter feito a proposta indecorosa que fez, ele teria as melhores intenções do mundo e que ele não é esse canalha que ela acreditou que ele fosse.

Apesar da premissa já meio batida casal-que-se-odeia-mas-também-se-ama e mocinho-com-o-orgulho-ferido-que-oferece-dinheiro-ou-o-perdão-da-dívida-para-a-mocinha-virar-sua-amante esse livro é bem legal porque a Linda tem o dom maravilhoso de criar personagens fortes e tornar uma trama comum algo interessante que consegue prender a atenção do leitor até o fim.
Além disso, as mocinhas dela são ótimas, personagens de fibra que não ficam só se lamentando e esperam ser salvas mas vão à luta para tentar mudar sua realidade, só com isso os livros dela já ganham vários pontos comigo rsrs.
No começo do livro a Michelle me lembrou muito - pela situação parecida e pelo orgulho - a Scarlett O'Hara de E o Vento Levou e o seu "Jamais sentirei fome novamente", só faltou aquela música de fundo rs. E é ótimo ver ela vencer o orgulho e reconhecer que ela estava errada em relação ao Rafferty e o mesmo com ele, é muito bacana perceber ele mudando sua opinião sobre a Michelle, que ela não é a mulher fútil (ou não mais, pelo menos) e que gostava de ser sustentada, que ele achava que ela fosse. Os personagens são maduros e conforme vão se conhecendo melhor, vão amadurecendo mais ainda e um dando força e apoio ao outro, eu gostei muito disso no livro.

Só não ganhou mais pontos/estrelas comigo por causa da trama, não teve nenhuma surpresa, foi tudo bem previsível. Mas excluindo isso, foi uma boa leitura, Linda sempre competente.

Estou curiosa para saber como será minha próxima leitura da Maratona, tomara que seja boa também. :)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, deixe seu comentário que irei adorar ler!

Não são permitidos spams ou comentários ofensivos de qualquer tipo, os últimos serão excluídos sem hesitação. Respeito todo mundo gosta, né? :)

No mais ficarei feliz em (assim que possível) responder qualquer dúvida aqui nos comentários.

Bjs,
Rafaela