Questões do coração - Emily Giffin


Sinopse:

Tessa Russo é mãe de duas crianças e esposa de um renomado cirurgião pediatra. Apesar dos avisos de sua mãe, Tessa recentemente abriu mão de sua carreira pra se focar na família e na busca da felicidade doméstica. Ela parece destinada a viver uma boa vida. Valerie Anderson é advogada e mãe solteira de Charlie que tem apenas 6 anos e nunca conheceu o pai. Depois de muitas decepções, ela desistiu do amor - e até mesmo das amizades - acreditando que é sempre mais seguro não ter muitas expectativas. Embora as duas mulheres vivam no mesmo subúrbio de Boston, elas tem muito pouco em comum além do amor pelos filhos. Mas numa noite, um trágico acidente faz suas vidas se encontrarem de um jeito inesperado. Em uma história alternativa e com vários pontos de vista, Emily Giffin nos emociona com um livro luminoso em que boas pessoas são pegas em circustâncias insustentáveis. Cada um sendo testado de maneiras que nunca pensaram ser possível. E cada um deles descobrindo o que realmente importa.

Minha Opinião:

Este é um dos livros mais emocionalmente intensos que já li.

Questões do Coração me deixou boquiaberta e sem saber o que pensar, muito mais do que outro livro da autora que li antes, Ame o que é seu - algo que eu pensei que não fosse possível - me deixou muito mais confusa a que conclusão chegar, deixando claro, para não criar confusão, que são obras diferentes, individuais, e que não pertencem a uma série nem nada disso, ok? ;)
Questões do Coração só tem em comum com um outro livro uma personagem que aparece nele e em Presentes da Vida que é a Darcy, que em Questões do coração é amiga da Tessa, a protagonista, sendo assim uma codjuvante, e em Presentes da vida ela é a protagonista sendo que a trama de "Presentes.." se passa muitos anos antes da de "Questões...".

Fiquei matutando sobre esse livro por dias, e não posso revelar todos os motivos para não dar sem querer nenhum tipo de spoiler, mas posso dizer que quem com certeza me deixou mais confusa foi a personagem Valerie, até agora não sei a qual conclusão chegar a respeito dela, porque nas circunstâncias em que ela se encontra é difícil julgá-la, entende? Tinha momentos em que eu a detestava e condenava e tinha momentos em que eu tentava compreendê-la, e chegava até a entender as razões de algumas de suas atitudes (mas não as atitudes em si) e sentia pena dela, resumindo: minha cabeça deu um nó rs.
Com a Tessa já foi totalmente diferente, eu empatizei com ela de cara, a entendi todo o tempo e terminei o livro concluindo que ela era uma grande mulher - principalmente por sua postura nas páginas finais do livro.

Escrito sobre uma proposta diferente: com duas protagonistas femininas (apesar de eu achar que a Tessa é a principal protagonista e a Valerie tá mais para uma quase "vilã", mas essa é minha opinião rs), cada uma tendo seus capítulos próprios, e com dois estilos de narrativa diferentes: os capítulos da Tessa são escritos em primeira pessoa - e essa pode ter sido uma das causas de eu ter empatizado com ela, pois torna a relação criada entre o leitor e o personagem mais pessoal - apesar de que eu duvido - e os capítulos da Valerie escritos em terceira pessoa - o que contribui para o afastamento do leitor com a personagem, além das atitudes dela, é claro rs.
Um tipo de estrutura textual que não me lembro de ter conhecido antes - pode até ser que tenha lido algo nesse estilo antes, mas com certeza não me marcou tanto, porque senão me lembraria - e que me agradou muito, funcionou muito bem para diferenciar os pensamentos das duas e ao mesmo tempo mostrar "as duas faces da moeda", por assim dizer.

Emily Giffin escreveu um livro maravilhoso, tocante, chocante, impactante, emocionante, em que as personagens são tão reais e os dilemas e emoções que elas vivem são tão palpáveis que não tem como não ficar dividida ou escolher um lado, pois são problemas comuns nos dias de hoje e que podem acontecer com qualquer mulher.
O livro fala das complexidades e profundidades dos relacionamentos e de como tudo tem dois lados, nada nos sentimentos e na vida é relativo, definido e definitivo, ou muitas vezes como parece ser. Uma emocionante reflexão sobre o perdão e os relacionamentos humanos. Adorei.

Você pode ler as outras resenhas que fiz sobre os outros livros da Emily Giffin clicando aqui.

4 comentários:

  1. Esse livro é muito bom
    Me coloquei no lugar dos personagens
    Sorri e chorei com eles

    ResponderExcluir
  2. Vcs estão me deixando mto curiosa... Dona Rafaela falou e falou e não falou o que queria kkkkkkkkkkkkkkkk Bicha má!

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. @Joιѕ Duarte kkkkkkkkkkk, Jois vc quer que eu estrague a surpresa, é? hahaha

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Eu tb amei esse livro e concordo com sua opinião, gostei da postura da Tessa, gostei muito do final pois foi muito realista, foi o primer livro que lei da autora e agora to procurando outro pra leer dela, acho que vou ler laços inseparaveis... dps conto o que achei do livro...
    abraço

    ResponderExcluir

Olá, deixe seu comentário que irei adorar ler!

Não são permitidos spams ou comentários ofensivos de qualquer tipo, os últimos serão excluídos sem hesitação. Respeito todo mundo gosta, né? :)

No mais ficarei feliz em (assim que possível) responder qualquer dúvida aqui nos comentários.

Bjs,
Rafaela