Um memezinho doce! ^^




Ahhhh! Que alegria!
Mais um memuxo para minha epopéia, que recebi das minhas friends blogueiras e que FINALMENTE postei! XD
Ganhei esse da Débora Lauton e da Carla Blackhawnk.
Muito Obrigada lindas e desculpa aí pela demora, tá?
Muito fofis o meme, adorei!


Regras:

1. Divulgue o link do CupCakeandRocknRoll.
2. Diga o seu doce predileto.
3. Diga sua música predileta.
4. Indique o selo para 4 seguidores do seu blog.


Lá vai...

1. Visitem o blog: http://cupcakerock.blogspot.com

2. Doce preferido: Pudim (hummmm, I love it!)

3. Música preferida? puts são tantas! depende muito do momento, agora por exemplo é do Keane - "Somewhere only we know" (tema do filme "A casa do lago".)

4. Indico para:

Hérida Ruiz - Lendo nas entrelinhas
Carla Martins - Leitura (mais que) obrigatória
Leninha - Sempre Romântica
Sheila - Cheiro de Alfazema


Bom, acho que é isso.
Smack, smack.
Hasta luego!
Continue lendo...

Trecho Fofo - Edward Cullen - Lua Nova

(...) "Será que dá por favor pra você tentar ouvir o que eu estou dizendo? Será que você pode me deixar tentar explicar o quanto você significa pra mim?"
Ele esperou, examinando o meu rosto enquanto falava pra ter certeza de que eu estava escutando.
"Antes de você, Bella, minha vida era uma noite sem lua. Muito escura, mas haviam estrelas - pontos de luz e razão... E aí você apareceu no meu céu como um meteoro.
De repente, tudo estava pegando fogo; havia brilho, havia beleza. Quando você não estava lá, quando o meteoro caiu no horizonte, tudo ficou escuro. Nada havia mudado, mas os meus olhos haviam ficado cegos com a luz. Eu não conseguia mais ver as estrelas. E não havia mais razão pra nada".
Eu queria acreditar nele. Mas essa era a minha vida sem ele que ele estava descrevendo, não o contrário.
“Seu olhos irão se ajustar.” Eu resmunguei.
“Esse é o problema – eles não podem”
“E as suas distrações?”
Ele riu sem um traço de humor “Só mais uma parte da mentira, amor. Não tinha nenhuma distração vinda da... da agonia . Meu coração não bate a quase noventa anos, mas isso era diferente. Era como se meu coração tivesse ido – como se eu fosse um buraco. Como se eu tivesse deixado tudo que havia dentro de mim aqui com você.” (...)


Edward Cullen


(Lua Nova - Stephenie Meyer)
Continue lendo...

Soneto da Fidelidade - Vinícius de Moraes




Composição: Vinicius de Moraes / Capiba

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure

Continue lendo...

A Proposta



Resuminho da Estória (Sinopse):

Margaret Tate (Sandra Bullock) é uma editora literária sem coração, mal educada, grossa, ambiciosa e que "tem alergia a sentimentos humanos". Seu secretário, ou assistente de edição, Andrew Paxton (Ryan Reynolds) sonha em se tornar editor e, para isso, se submete a todas as vontades da chefe ditadora e exploradora, abrindo mão de qualquer sonho de uma vida pessoal...

Sendo assim ela pede seu assistente em casamento para que seu visto seja permanente e possa continuar vivendo e trabalhando nos EUA. É a partir daí que a estória se desenvolve, com momentos muito divertidos.


Dados Técnicos:

Título em Inglês: The Proposal
Título em Português: A Proposta
Gênero: Romance/Comédia
Direção: Anne Fletcher
Elenco: Sandra Bullock, Ryan Reynolds, Mary Steenburgen, Craig T. Nelson, Betty White, Denis O'Hare, Malin Akerman, Oscar Nuñez, Aasif Mandvi
Roteiro: Pete Chiarelli
Duração: 108 min.
Ano de Lançamento: 2009


Minha Opinião:

Adoro uma boa e velha comédia romântica, fico sempre ligada nas novidades que são lançadas no cinema, na TV ou em DVD. Então quando soube deste filme fiquei muito empolgada para vê-lo, fui ao cinema com uma amiga minha que também gosta do gênero e foi extremamente agradável o programa, nos divertimos pacas.
Gosto muito do trabalho da Sandra Bullock, acho que ela trabalha muito bem nesse tipo de filme e com a companhia do Ryan Reynolds (Escola da Vida) forma uma dupla bem interessante, eles fazem uma boa parceria e a Sandra apesar de ser mais velha que ele, não deixa nada a desejar em relação à outras menininhas por aí, (assistam a cena em que ela aparece sem roupa e vocês vão entender do que estou falando).
O Ryan é um lindo, fofo, simpático e super talentoso ator jovem que está começando a ter mais visibilidade agora, apesar de ter outros filmes no currículo que são excelentes, como o Escola da vida o qual citei acima.
O filme é muito engraçado, leve e têm cenas ótimas.


Destaque para:

- Chegada e acomodação na casa dos pais dele. (lição de como andar com salto-agulha nas pedras, descer escada de pier e carregar várias malas pesadas, tudo ao mesmo tempo hehehe)
- Despedida de solteira dela.
- A dança ao redor da fogueira com a vovó. (personagem de Betty White)
- A própria vovó que é incrível, engraçada e uma fofa.
- O onipresente e oniciente Ramone. (mil e uma utilidades rsrs)
- Nova entrevista para conseguir o visto. (cena final que passa junto com os créditos, em que estão presentes além dos protagonistas, a família dele, a cadela e até o Ramone :P)

O filme vale muito à pena para quem gosta do gênero.
Romântico, divertido, leve e gostoso de assistir.
Recomendadíssimo!
Continue lendo...

Inadequado, mas irresistível! - Pérola

Esse livro têm vários momentos engraçados, mas resolvi postar um que vem de uma sequência de eventos hilários, para começar esse marcador com o pé direito kkkkkkkkk espero que curtam! :)

Situação:

Lorde Gideon Carradice encontra a Senhorita Prudence Merridew no sarau promovido por lady Ostwither em sua casa para apresentar sua filha à sociedade. Quando esta inicia sua apresentação tocando violino, Lorde Carradice que estava sentando perto atrás de Prudence e tratava de tentar conversar com ela em sussurros, continua o seguinte diálogo com ela:


Pérolas Engraçadas:

(...)

Prudence: - Shh! Aquela mocinha é a filha da dona da casa.

Gideon: - Sim, mas pelo barulho que emana daquele canto da sala, parece que ela está pisoteando um gato, e eu sou contra dar um tratamento cruel aos animais. Bem, aos ouvidos humanos, também. Seja como for, você desviou do assunto. O que eu apontei foi a importância do nosso noivado.

(...)

- O professor de música dessa menina, seja ele quem for, deveria ser enforcado, esfolado e esquartejado... de preferência com ela tocando essas atrocidades ao violino.

Incapaz de se controlar, Prudence riu.

- Ora, como pode rir num evento de gigantesca qualidade musical como este? - Gideon a repreendeu. - Não sabe que gatos inocentes deram sua vida por isto?

Prudence tornou a rir, e várias pessoas fizeram shhh! pedindo silêncio.
(...)


Livro:
Inadequado, mas irresistível!

(Primeiro livro da série das Irmãs Merridew)

Autora:
Anne Gracie

Continue lendo...

É pique, é pique, é hora, é hora, é hora...

Olá Amigas e Amigos!
Hoje o post é mais do que especial! (se preparem para muitas exclamações à mais do que estou acostumada a escrever nos meus posts normais).
Queridos leitores deste blog e visitantes, tenho a maior alegria de informar que este é o post de comemoração de 1 ano do meu bloguinho querido e amadoooooooooo!!!!!!!!!!!!!!!! Vivaaaaaaaaaa!!!!!
Que foi completado ontem dia 01/08.
Poxa como passa rápido!
Imagem retirada daqui

E para comemorar resolvi fazer uma lembrançinha pra todos os amigos e conhecidos que me prestigiam e me dão tanto carinho com suas visitas e comentários!
Não tenho palavras para descrever a emoção que vocês me dão ao visitar este blog, mesmo os caladinhos que não comentam rsrs mas só de passarem por aqui já me deixam super feliz, aqueles que linkam, os que sempre comentam, os amigos recentes e aqueles que me acompanham desde o começo, meu MUITO OBRIGADA!!!!
Mesmo que eu não responda os comentários ou suma de vez em quando, saibam que estou sempre de olho e que vocês moram no meu coração!
Aí para não passar em branco, resolvi fazer um presentinho para quem quiser pegar, fique à vontade! O Níver é do "Canto" mas quem ganha é você! (desculpem mas não consegui evitar a frase clichê! kkkkk)
Espero que gostem amigos!
Ofereço como selo pra todos os blogs da minha lista de blogs, aqueles que são os seguidores deste blog e a todos enfim...
Aí vai o selinho:




Espero do fundo do coração que tenhamos muitos e muitos anos de amizade e companheirismo neste cantinho que é feito com muito amor para todos nós!
Bjs a todos, obrigada por tudo!
E até a próxima!
Continue lendo...

Senhora - José de Alencar (Trechão Parte III - Final)





"(...) Fernando Seixas, obedecendo automaticamente a Aurélia, sentara-se e fitava na moça um olhar estupefato. A moça arrastou uma cadeira e colocou-se em face do marido, cujas faces crestava o seu hálito abrasado.
- Não careço dizer-lhe que amor foi o meu e que adoração lhe votou minha alma desde o primeiro momento em que o encontrei. Sabe o senhor, e se o ignora, sua presença aqui nesta ocasião já lhe revelou. Para que uma mulher sacrifique assim todo seu futuro, como eu fiz, é preciso que a existência se tornasse para ela um deserto, onde não resta senão o cadáver do homem que a assolou para sempre.
Aurélia calcou a mão sobre o seio para comprimir a emoção que a ia dominando.
- O senhor não retribuiu meu amor e nem o compreendeu. Supôs que eu lhe dava apenas a preferência entre outros namorados e o escolhia para herói dos meus romances, até aparecer algum casamento, que o senhor, moço honesto, estimaria para colher à sombra o fruto de suas flores poéticas. Bem vê que eu o distingo dos outros, que ofereciam brutalmente, mas com franqueza e sem rebuço, a perdição e a vergonha.
Seixas abaixou a cabeça.
- Conheci que não me amava como eu desejava e merecia ser amada. Mas não era sua culpa e só minha que não soube inspirar-lhe a paixão, que eu sentia. Mais tarde, o senhor retirou-me essa mesma afeição com que me consolava e transformou-a para outra, em quem não podia encontrar o que eu lhe dera, um coração virgem e cheio da paixão com que o adorava. Entretanto, ainda tive forças para perdoar-lhe e amá-lo.
A moça agitou então a fronte com uma vibração altiva:
- Mas o senhor não me abandonou pelo amor de Adelaide e sim por seu dote, um mesquinho dote de trinta contos! Eis o que não tinha o direito de fazer e o que jamais lhe podia perdoar! Desprezasse-me embora, mas não descesse da altura em que o havia colocado dentro de minha alma. Eu tinha um ídolo; o senhor abateu-o de seu pedestal e atirou-o no pó. Essa degradação do homem a quem eu adorava, eis o seu crime; a sociedade não tem leis para puni-lo, mas há um remorso para ele. Não se assassina assim um coração que Deus criou para amar, incutindo-lhe a descrença e o ódio.
Seixas, que tinha curvado a fronte, ergue-a de novo e fitou os olhos na moça. Conservava ainda as feições contraídas e gotas de suor borbulhavam na raiz de seus belos cabelos negros.
- A riqueza que Deus me concedeu chegou tarde; nem ao menos permitiu-me o prazer da ilusão, que têm as mulheres enganadas.Quando a recebi, já conhecia o mundo e suas misérias; já sabia que a moça rica é um arranjo e não uma esposa; pois bem, disse eu, essa riqueza servirá para dar-me a única satisfação que ainda posso ter neste mundo. Mostrar a esse homem, que não me soube compreender, que mulher o amava e que alma perdeu. Entretanto ainda eu afagava uma esperança. Se ele recusa nobremente a proposta aviltante, eu que irei lançar-me a seus pés. Suplicar-lhe-ei que aceite a minha riqueza, que a dissipe se quiser; mas consinta-me que eu ame. Esta última consolação, o senhor a arrebatou. Que me restava? Outrora atava-se o cadáver ao homicida, para expiação da culpa; o senhor matou-me o coração; era justo que o prendesse ao despojo de sua vítima. Mas não desespere, o suplício não pode ser longo: este constante martírio a que estamos condenados acabará por extinguir-me o último alento; o senhor ficará livre e rico.
Proferidas as últimas palavras com um acento de indefinível irrisão, a moça tirou o papel que trazia passado à cinta e abriu-o diante dos olhos de Seixas. Era um cheque de oitenta contos sobre o Banco do Brasil.
- É tempo de concluir o mercado. Dos cem contos de réis, em que o senhor avaliou-se, já recebeu vinte; aqui tem os oitenta que faltavam. Estamos quites e posso chamá-lo meu; meu marido, pois é este o nome de convenção.
A moça estendeu o papel que sua mão crispada amarrotava convulsamente. (...)"


Continue lendo...